A arte de escrever e a arte de interpretar

Escrevo na tentativa de eternizar certos sentimentos, pessoas e momentos. Não de forma direta, mas nas entrelinhas. Quando escrevo expresso muito do meu sentir, mas não o todo. Não consigo compreender quem tenta me interpretar através das minhas palavras. Até porque é uma missão sem resposta definitiva. Aliás, a palavra que eu escrevo não terá o mesmo sentir que ela tem para mim. O sentir da palavra é muito íntimo. Não faço da palavra a expressão do meu ser, mas tão somente a faço nascer. Quando ela nasce leva o meu sentir junto, mas com o toque do novo, do criativo, da inspiração... O que eu escrevo é somente o clímax da minha bagagem emocional com a inspiração que a vida me proporciona. E que no final ganha um sentir que desconheço, pois ele é todo seu, caro leitor!

Escrito por Aline Goulart

5 comentários :

  1. Sempre nasce lindas palavras, amiga. Muitos textos da sua autoria me ajudaram, sábia? Continue sempre encantando com as suas belas inspirações. Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz em saber disso. Gosto de saber que as minhas criações ajudam e encantam os meus seguidores. ♥

      Excluir
  2. Eu tenho escritor na minha família que sempre disse o seguinte: "escrever é expor uma verdade construída pela realidade inspirada." Quando eu li o seu texto, logo lembrei dele.

    ResponderExcluir
  3. ❝ A poesia deixa algo em cada leitor: uma sílaba, uma metáfora, um conceito, uma visão do universo. Cada verso é de natural ambíguo, tem duas caras, como certas pessoas que eu conheço, ou cem, ou mil. As palavras não dispõem de apenas uma carteira de identidade; (...) antes de variar de leitor para leitor, a Poesia, que se nutre da ineficácia ou da imprecisão das definições que a circundam, varia de poeta para poeta. A cada um exibe uma face particular.

    - Ledo Ivo in: A Fábula do Vento -

    ResponderExcluir

Layout e conteúdo por Aline Goulart.
Todos direitos reservados © 2012-2017.
| Voltar para o topo |