Audácia

§ 

no limite 
que me concedo 

o verbo sentir 
nem observa

só sente e sente 

sem qualquer receio 
de extrapolar.

Escrito por Aline Goulart

10 comentários :

  1. Ato não há de mais pleno existir do que o não ato de apenas sentir.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sentir nunca é apenas. É mais.

      Beijinhos.

      Excluir
  2. A sua poesia exala o verbo sentir. Gosto dos seus versos exatamente por isso. Nós saímos daqui valorizando esse verbo precioso.

    Bjos, Si

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz em saber.
      O verbo sentir é a nossa essência primordial.
      E da minha poesia também.

      Beijinhos.

      Excluir
  3. Sem qualquer receio. Sem medo de ser. É audácia, sim Aline...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita audácia!

      Uma ótima semana para você.
      Beijinhos.

      Excluir
  4. Quando se estabelecem limites para o sentir... nunca se sente verdadeiramente... há que extrapolar, sim... sem qualquer receio...
    Beijinho! Feliz semana!
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando o verbo sentir é verdadeiro, não há limite que impeça dele existir.

      Beijinhos.

      Excluir
  5. Audácia como atravessar um abismo de olhos vendados.
    Impetuosamente lindo Aline.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio.
      Adoro os teus comentários, Toninho.

      Beijinhos.

      Excluir

● Layout e conteúdo por Aline Goulart.
● Todos direitos reservados © 2012-2018.
| Voltar para o topo |